HOME > Outros > Shigenori Soejima, ilustrador de Catherine fala sobre sua carreira e trabalhos na Atlus

Shigenori Soejima, ilustrador de Catherine fala sobre sua carreira e trabalhos na Atlus

O vídeo mais recente publicado pelo canal francês Archipel no YouTube traz a participação do designer de personagens e ilustrador Shigenori Soejima. O artista é conhecido por trabalhos em séries como PersonaCatherine e, recentemente, em seu primeiro jogo com o Studio Zero, o remake Catherine: Full Body.

Intitulado “Soejima and Catherine”, o vídeo traz uma conversa com Shigenori Soejima a respeito de sua carreira, inspirações e detalhes de suas criações, além de mostrar o escritório, a equipe e a rotina de trabalho do Studio Zero.

Nós traduzimos todo o conteúdo para português exclusivamente para vocês! Abra o vídeo e, caso as legendas não sejam ativadas automaticamente, ative-as e escolha o idioma “Português” ou simplesmente leia a tradução abaixo:

Tradução

O que me impressionou nos jogos foram os personagens dos jogos de luta, eu gostava de jogos como Street Fighter ou Samurai Showdown, onde eu desenhava os personagens que eu gostava. Atlus é uma empresa de RPG, mas ela costumava fazer jogos de luta no passado, como a série Power Instinct que eu gostava. O jogo foi desenvolvido em Osaka, mas eu comecei trabalhando no escritório em Tóquio, por isso eu não trabalhei com jogos de luta. A razão pela qual eu desejava trabalhar na Atlus… Eu tinha a sensação de que era uma empresa que poderia realizar algo.

A série Megami Tensei tinha essa atmosfera especial, o tamanho da empresa também era um fator, e meu eu jovem tinha aquele sentimento audacioso de que poderia trabalhar em várias coisas. Foi assim que eu acabei entrando nos portões da Atlus. No começo, eu olhava os personagens existentes, como personagens de mangá ou anime com quem cresci junto, e tentava me lembrar das características que eu gostava nesses personagens para poder criar os meus.

Stella Deus: The Gate of Eternity

Recentemente, eu tenho olhado cada vez mais para as celebridades ou pessoas na rua, sinto que estou entrando mais nessa área. Sem olhar para nomes específicos, sou frequentemente inspirado por modelos em revistas de moda. Uma mesma modelo pode ter roupas e penteados diferentes, variando em cada foto. Isso cria algo como… Há, obviamente, o encanto natural da pessoa, mas eu também sou inspirado pela imagem que ela quer comunicar e nas tentativas de se aproximar dessa imagem. “Arrumar um certo tipo de pessoa de certa forma fornece esse resultado”, aprendi muito desse jeito. Revistas de moda são provavelmente o que mais vejo.

Em Persona 4, os personagens foram deformados para mostrar modelos 3D. Já para expressões mais ricas, eles eram mostrados através de ilustrações. No entanto, eu queria mostrá-los de forma mais uniforme, como em um anime ou filme. Eu não sabia qual era a melhor forma, mas queria aceitar o desafio aplicando isso em Persona 5. Porém, antes disso eu queria saber quais eram os custos e como meus desenhos realmente ficariam.

Modelos em 3D ao fundo em Persona 4

Foi assim que Catherine surgiu, como um título mais compacto. Obviamente, é um jogo de puzzle muito rico, mas se comparado a um RPG, possui menos cenas de evento e é por isso que usei esse título para testar o desafio.

“Boa noite, sejam bem-vindos ao Golden Playhouse. Sua guia esta noite sou eu, a Midnight Venus, Trisha. Você já ouviu falar sobre esse boato assustador? Dizem que se você cair em um sonho e não acordar antes de chegar ao chão, você morre na vida real.”

Para Catherine, as mecânicas de puzzle estavam presentes desde o começo. Foi então uma questão de como torna-lo um jogo divertido, e foi aí que entrei no projeto. No início, Catherine era um jogo sem aquele toque erótico. Haviam ideias como as de torna-lo um campo de batalha onde os personagens escalavam uma colina. Enquanto discutia isso, várias pessoas se interessaram. Eu nunca havia desenhado nada erótico até então, mas Hashino achou que seria inesperado e que isso acabaria resultando em algo interessante. Mas eu estava um pouco ansioso no começo.

Processo de criação da personagem Catherine

Não existe alguém que não goste de erotismo. Eu nunca tinha feito isso antes, então, a princípio, enquanto desenhava, isso estranhamente se tornava bem sutil, embora Catherine seja mais cru de certa forma. Eu comecei de novo várias vezes, procurando por algo mais real, com um apelo mais carnal. Para os dois personagens, na época do desenvolvimento de Catherine, eu tinha mais ou menos a idade do Vincent. Eu me perguntava que tipo de pessoa ele seria se fosse real e havia uma grande parte dele que eu me identificava.

Para a personagem da Catherine, mais do que uma personagem imaginária, ela era mais como uma personagem ideal. Surpreendentemente era melhor se ela fosse mais em tom de mangá, longe da realidade. Para Katherine, levou mais tempo para decidir como seria o design dela. Que tipo de mulher seria assustadora para um homem? Bem, não assustadora, porque ela também é gentil. Proporcionando-lhe um charme que também lembraria a realidade, sendo delicada, mas também possuindo características estritas. Ela tinha que ser mais real, e é por isso que eu comecei de novo várias vezes.

Uma das primeiras tentativas de criação da personagem Katherine

Eu não hesitei muito após as duas personagens serem decididas. Usei vários estereótipos, como óculos finos para dar a ela um visual mais intimidador, bem como em sua maquiagem, trazendo algo mais intelectual do que sexy. O design da Catherine já estava decidido, então era mais uma questão de mostrar a ela um completo oposto, usando preto e branco, uma mais madura e outra mais feminina. Depois que a personalidade doa personagem foi confirmada, foi muito mais fácil decidir sobre sua aparência e design.

Muitas pessoas estão começando a trabalhar no Studio Zero, eu tenho esperanças de que isso vai ajudar a trazer algo novo e diferente para a Atlus. Existem membros como Hashino, com quem tenho trabalhado na Atlus por um longo tempo, junto com pessoas que acabaram de começar. Estou curioso para ver a reação química que isso irá criar, e ver como isso afetará os jogos que são feitos.

Escritório do Studio Zero

Quando decidiram lançar uma terceira personagem, fiquei me perguntando que tipo funcionaria melhor. Originalmente, eu projetei as duas personagens pensando em criar dois opostos, então me perguntei como trazer mais uma. A Catherine tem aquela aparência sexy, enquanto Katherine é mais madura. Então eu pensei que se criasse uma personagem fofa, algo que eu já estava acostumado a trabalhar, poderia ser a abordagem certa para a terceira personagem. Esse adjetivo foi o gatilho.

Quando eu quero pensar, não fazer nada faz com que meus pensamentos entrem em um loop, e isso me dá problemas para junta-los. No entanto, dirigir uma moto ou um carro me dá uma tarefa mais clara. Essa é uma tarefa que eu preciso completar. Além disso, o cenário ao meu redor continua mudando, eu sinto que essa é uma ótima maneira de pensar, diferente de coletar recursos. Quando quero realmente pensar, costumo dirigir no meu carro ou pensar em uma desculpa para sair. Meu objetivo…

Shigenori Soejima

Posso ainda ser um novato do ponto de vista dos veteranos da indústria. Tendo trabalhado por esses anos e com várias pessoas, você aprende muito. Na época eu às vezes trabalhava por impulso enquanto aprendia todo dia a partir das expectativas das pessoas, você realmente aprende cada vez mais sobre o processo de criação. É o caso dos meus trabalhos e dos trabalhos das pessoas ao meu redor. Como resultado, você consegue ver o que está faltando, e isso faz com que você compreenda o conhecimento que deseja adquirir, como as coisas que não consegue desenhar.

O homem, ou pelo menos as pessoas desenhando, tendem a desenhar inconscientemente apenas o que ele consegue desenhar. Eu sinto que este não é o caminho certo a seguir. Este é o caso de Re: Fantasy também, assumindo como um novo desafio, como aconteceu com Catherine. Poder incorporar eles é o que me ajudará a seguir o meu trabalho.


Catherine: Full Body está atualmente em desenvolvimento para o PlayStation 4 e PS Vita, com lançamento previsto para 2018 no Japão e 2019 no ocidente. Leia mais sobre o jogo aqui.

 

 

Compartilhe:
Mio
Mio
Tradutora, professora, redatora e fundadora da Densetsu. Apaixonada por música, jogos, dorama e cultura japonesa em geral. Mãe de um shiba inu e de um gatinho SRD com muito orgulho. ♥ Suas franquias favoritas são The Legend of Zelda, Just Dance, Bokujou Monogatari e Fatal Frame.
https://www.densetsugames.com.br/