HOME > Especiais > Killer7 retorna com toda a sua estranheza para PC

Killer7 retorna com toda a sua estranheza para PC

Killer7

Agradecemos à NIS America por ter providenciado uma cópia deste jogo.

Em 2005, um estranho jogo foi lançado mundialmente. Co-desenvolvido pela Grasshopper Manufacture e a Capcom, Killer7 foi lançado para o GameCube e PlayStation 2, surpreendendo a todos com um estilo bem diferente, ambos em questão de jogabilidade e visuais. Agora, esse jogo retorna para PC de uma forma remasterizada e extremamente fiel ao seu lançamento original.

Killer7 conta a história de um grupo de 7 assassinos que na verdade se tratam de manifestações físicas de diferentes personalidades de um homem chamado Harman Smith. Esses assassinos recebem missões diretamente do governo dos Estados Unidos, através das quais eles acabam descobrindo segredos por trás de sua organização e uma conspiração envolvendo o Japão e a política norte-americana.

Certamente, este foi o jogo que apresentou muitos à bizarrice das obras do diretor Goichi Suda, mais conhecido como Suda51, que mais tarde seria responsável pela popular série No More Heroes.

Gif de Killer7

Os controles do jogo eram diferentes até na época, trazendo uma mistura de jogabilidade “em trilhos” — onde jogadores pressionam um botão para moverem seu personagem em uma direção pré-determinada com opção de fazê-lo se virar para trás e de escolher para onde ir em interseções — e “tiro em primeira pessoa” — o “modo de batalha” do jogo onde jogadores, parados na visão do personagem, devem usar suas armas de fogo para atirarem em monstros conhecidos como “Heaven Smiles”.

Jogadores podem escolher jogar com qualquer um dos 7 assassinos. Ao encontrar um Smile, o objetivo é atirar até que ele morra e absorver seu sangue que pode ser usado para aprimorar atributos. Essa tarefa pode ser executada de forma mais eficaz quando o ponto fraco destacado do inimigo é acertado, o que causará uma morte mais rápida. Porém, quando um desses inimigos toca o jogador, eles explodem e colocam o personagem controlado em risco. A morte desse personagem, porém, não é necessariamente o fim. Selecionando o personagem Garcian Smith, é possível ir até o local da morte e ressuscitar o assassino caído. Porém, se Garcian morrer, aí é Game Over na certa.

Gif de Killer7

O estilo artístico de Killer7, tal como a maioria dos jogos de Suda51, é extramente único, providenciando um clima bizarro, misterioso e interessante. Certamente algo que dá para ver que só poderia ter vindo da geração do PS2, console que se tornou casa de uma variedade de título icônicos e, novamente, únicos.

O retorno do jogo exclusivamente para PC foi algo que surpreendeu fãs de longa data. Como acontece com frequência com jogos de tiro em primeira pessoa, jogadores que decidirem jogar no controle podem vir a ter dificuldade com a mira, então a opção de jogar com mouse e teclado é muito bem-vinda.

Nem tudo é um passeio no parque, no entanto. Apesar de isto ser uma pequena crítica também referente à versão original, sentimos que jogadores devem ser avisados que o jogo não irá pegá-los pela mão e guiá-los pelas várias fases do jogo. Na verdade, muito pelo contrário: é muito fácil acabar se perdendo nesse mundo poligonal graças à natureza vaga das instruções de Iwazaru, seu parceiro sempre vestindo roupas de escravo sexual e dizendo “estamos em uma situação apertada”.

No mais, a versão para PC traz de volta o jogo essencialmente como era antes, aprimorando seus gráficos e animações para os padrões em alta definição de hoje em dia.


Killer7 [PC]

Arte de capa de Killer7

NOTA: 3,7 de 5 Partículas de Sangue.

Este relançamento retém o antigo, lindo e estranho visual e o gameplay inovador de Killer7, porém sua jogabilidade no controle deixa a desejar, e a constante falta de explicação sobre seus objetivos pode deixar jogadores frustrados e correndo confusos de lá pra cá.

Compartilhe:
Avatar
Minato
Aspirante a escritor e jornalista. Minato é um amante de jogos, cinema, seriados, histórias em quadrinhos, música e tudo relacionado ao Japão. É uma fábrica de ideias que está sempre produzindo cada vez mais, apesar de não colocar nem metade em prática. Seus jogos favoritos são Persona 3, Okami, Steambot Chronicles, Shin Megami Tensei: Nocturne, Portal 2 e a série Kingdom Hearts.