Demon’s Crest – Nada de heróis, apenas demônios | #DensetsuIndica


Demon’s Crest, conhecido no Japão como Demon’s Blazon, é a terceira parte da trilogia que começou com o jogo Gargoyle’s Quest de 1990, uma spin-off da popular franquia Ghosts ‘n Goblins. Finalizando a história da gárgula vermelha Firebrand, o título foi lançado em 1994 para o Super Nintendo (SNES), trazendo uma jogabilidade que hoje poderia ser descrita como “Souls-like”.

Capa do jogo Demon's Crest
Capa norte-americana de Demon’s Crest.

Quando seis pedras mágicas caíram dos céus no reino dos demônios, várias guerras foram travadas em busca do poder elemental que cada um desses objetos (chamados de Brasões) continha. O demônio Firebrand se provou vitorioso sobre a maioria, conseguindo coletar cinco dos itens, deixando faltar somente um: o Brasão do Céu, sob posse do dragão demoníaco Somulo.

Gravemente ferido após uma longa batalha contra Somulo, Firebrand emergiu vitorioso, mas sua vitória não poderia ser celebrada. Aproveitando sua fraqueza, o arque-demônio Phalanx aparece para roubar as pedras da gárgula, deixando o protagonista apenas com um despedaçado Brasão do Fogo.

Assim, de forma semelhante a um certo filme de super-heróis, a missão do jogador é impedir que o vilão consiga o Brasão do Infinito e se torne invencível. Isso, é claro, levará Firebrand a uma jornada repleta de inimigos perigosos e impiedosos.

O vilão Phalanx e as pedras mágicas de Demon's Crest

Misturando elementos de jogos de plataforma e RPG, o título não perde tempo logo em seu primeiro minuto. Sem qualquer aviso, a primeira coisa que o jogador deve fazer é derrotar o revivido dragão Somulo. É nesse momento de tensão que é possível aprender o básico: andar, voar, cuspir bolas de fogo e se agarrar às paredes.

Somulo, felizmente, não é difícil de derrotar e, assim que o dragão fica inconsciente, Firebrand está livre para dar início à sua aventura. Ao longo do caminho, jogadores irão se deparar com vários inimigos com diversas habilidades e cenários destrutíveis.

Gif da primeira fase de Demon's Crest

Para impedir a ascensão de Phalanx ao poder supremo, é necessário obter todos os Brasões restantes, cada um representando um elemento diferente — Terra, Ar, Água, Tempo e Céu. Além disso, seu Brasão padrão, o de fogo, também deve voltar à força total, então encontrar seus fragmentos perdidos também se torna parte do objetivo.

Coloridas de forma a representar seus respectivos elementos, as cinco pedras adicionais permitem que o herói demônio assuma várias formas que o imbuem com novas habilidades. O Brasão da Terra, por exemplo, o transforma em uma “Gárgula do Solo” capaz de destruir e remover objetos pesados do cenário ao custo de suas asas.

Em contraste ao Brasão da Terra, a pedra do elemento ar permite que Firebrand aprimore sua habilidade de voo, além de lhe dar poderosas rajadas de vento para cortar vinhas em seu caminho. Para nadar e respirar debaixo d’água, o demônio deve utilizar o poder da “Gárgula da Maré”, do Brasão aquático.

Finalmente, trazendo poderes mais extraordinários, Firebrand pode utilizar o Brasão do Tempo para se tornar uma “Gárgula Lendária”, aumentar sua densidade e resistir a ataques mais poderosos. Ainda mais útil, o Brasão do Céu mistura as habilidades de todas as outras pedras, mas infelizmente esta não pode ser utilizada no jogo normal como as outras.

Screenshot de Demon's Crest

Demon’s Crest certamente está entre os melhores jogos de plataforma do Super Nintendo, especialmente para gamers que gostam de um desafio. Ao invés do típico protagonista heróico, o título coloca jogadores nos pés de um personagem que pode ser visto, no mínimo, como um anti-herói, alguém que não está exatamente preocupado em salvar o mundo, mas sim obter poder.

Com tantos jogos de plataforma “metroidvania” com jogabilidade “masoquista” ainda sendo lançados e louvados, é possível que o título tenha inspirado muitos desenvolvedores e possa agradar muitos fãs do gênero. Infelizmente, Demon’s Crest nunca deixou os anos 90 e sua plataforma original, sem sinais de um relançamento para uma nova audiência.

Entretanto, a esperança é a última que morre, como dizem, e o lançamento de Ghosts ‘n Goblins Resurrection para Nintendo Switch em 25 de fevereiro de 2021 pode ser um sinal de que a Capcom deseja reviver a franquia de vez. Nos resta apenas esperar para ver se um dia veremos Firebrand assumir os holofotes novamente.

Publicado originalmente em: 31 de outubro de 2017
Última revisão: 13 de fevereiro de 2021

Compartilhe:

Qual foi a sua reação?

amei amei
8
amei
haha haha
0
haha
meh... meh...
0
meh...
eita! eita!
0
eita!
quê? quê?
0
quê?
Angelo Silva

Aspirante a escritor e jornalista. Minato é um amante de jogos, cinema, seriados, histórias em quadrinhos, música e tudo relacionado ao Japão. É uma fábrica de ideias que está sempre produzindo cada vez mais, apesar de não colocar nem metade em prática. Seus jogos favoritos são Persona 3, Okami, Steambot Chronicles, Shin Megami Tensei: Nocturne, Portal 2 e a série Kingdom Hearts.