HOME > Especiais > Nelke & the Legendary Alchemists – Comandando muito mais que um ateliê

Nelke & the Legendary Alchemists – Comandando muito mais que um ateliê

A franquia Atelier está comemorando 20 anos de existência e para comemorar a Gust lançou um game intitulado Nelke & the Legendary Alchemists: Ateliers of the New World, um título que reúne todos os personagens dos jogos anteriores com um gameplay totalmente inovador para a série.

Diferente dos protagonistas que estamos acostumados a ver na franquia, Nelke, a protagonista da vez, não é uma alquimista e o jogo em si não é focado exclusivamente em alquimia, mas sim no gerenciamento de uma pequena vila chamada Westwald. Chegando da capital em busca de um desafio longe da cidade grande e com um outro objetivo secreto, a jovem aristocrata e sua fiel empregada Misty assumem o comando do vilarejo com o intuito de torná-lo uma verdadeira metrópole.

Se você jogou algum título da franquia Atelier anteriormente deve estar animado com a atmosfera descontraída e livre que existe nos games, certo? Uma surpresa que pode ser agradável ou não para aqueles que são fãs da série é o alto nível de complexidade das mecânicas presentes no jogo. Dito isto, não jogue Nelke & the Legendary Alchemists achando que vai encontrar um título fofinho para relaxar como em Atelier Sophie, pois dessa vez a Gust criou um jogo incrivelmente detalhado que requer extrema atenção e organização por parte do jogador.

Os habitantes de Westwald

Além dos personagens já conhecidos pelos fãs, o novo jogo possui alguns rostos originais que fazem parte de Westwald. São eles: a aristocrata e prefeita Nelke, a devota empregada Misty, o supervisor tagarela Lotos e o confiável chefe da vila, Konos. Juntos, os quatro agem como administradores da prefeitura de Westwald exercendo papéis distintos.

Nelke von Lestamm

Nelke sempre tem a última palavra nas decisões de Westwald, escolhendo onde os recursos devem ser usados, quais edifícios devem ser construídos e quem deve ser responsável pelo funcionamento deles, além de liderar expedições nos arredores em busca de matéria prima para síntese alquímica e também definir quais itens devem ser produzidos nos ateliês da vila.

Apesar de ter uma empregada e ser filha de um dos homens mais ricos do mundo, a garota não age de maneira esnobe e em diversos momentos demonstra se importar com os cidadãos mais necessitados, como podemos presenciar em um capítulo do jogo em que Nelke descobre que uma aldeia vizinha está entrando em crise graças ao crescimento acelerado de Westwald e questiona se o que está fazendo é o correto.

O verdadeiro motivo de Nelke ter deixado a capital é sua busca por uma relíquia conhecida por ser uma árvore com poderes extraordinários, como ter um fruto que cura qualquer aflição humana, por exemplo. Apesar do forte desejo em pesquisar a relíquia, o conhecimento acerca da árvore é tão escasso que a grande maioria dos habitantes de Westwald considera isso somente uma lenda.

Em batalha, a protagonista empunha um sabre curto e se posiciona sempre na linha de frente, protegendo as alquimistas do grupo de ataques diretos (embora mecanicamente isso não faça diferença alguma no jogo). Apesar de não ser versada em alquimia, Nelke pode utilizar itens produzidos em ateliês, como bombas e unguentos medicinais. Seu HP é mediano e sua velocidade é alta, com danos razoáveis.

Misty Ellude

Misty é extremamente leal à Nelke e carrega facas escondidas sob suas vestes para proteger sua mestre caso apareça algum ataque surpresa. Com temperamento sério, mas gentil, a jovem empregada é também a principal assistente da prefeita, cuidando de toda a papelada que envolve o desenvolvimento de Westwald ao fornecer relatórios semanais e manter anotações sobre as demandas da população.

Ao fazer uso de duas facas simultaneamente, Misty é a única personagem do jogo que possui ataques duplos numa única rodada, assemelhando-se aos gatunos dos RPGs clássicos, com ataques de alta velocidade e dano baixo. A personagem também possui habilidades de buff que aumentam a ofensividade de seus companheiros ou de si mesma.

Lotos McGregor

 

Aquele que pode ser considerado o personagem mais chato de toda a franquia é também seu chefe no jogo (o que faz todo sentido, não é?). Lotos é um supervisor enviado pelo pai de Nelke para acompanhar seu trabalho em Westwald, com total poder de decisão para trazer a garota de volta para a capital caso seu trabalho não seja satisfatório.

Todas as missões dadas por seu pai são reportadas por Lotos que age basicamente como seu nêmesis, constantemente lembrando a importância de seu sucesso e as consequência caso Nelke falhe em sua administração. O personagem também é responsável por manter Nelke atualizada sobre a satisfação geral dos habitantes de Westwald.

Tudo isso seria tolerável se Lotos não passasse de um NPC que ajuda o jogador a manter sua atenção no que realmente importa, mas infelizmente a Gust resolveu fazer dele um tagarela egocêntrico que por alguma razão desconhecida pensa que é o protagonista do jogo. Em defesa do personagem, podemos relatar que em alguns momentos da história é revelado que ele age “por debaixo dos panos” para auxiliar Nelke na administração de Westwald sem que ela saiba, já que ele parece ter um motivo extra para estar ali.

Lotos é um mago com certa resistência em batalha, atacando à distância e causando grandes danos de alvo único. Os danos de sua magia são bem semelhantes aos do sabre de Nelke, mas o supervisor possui uma velocidade um pouco menor que a da protagonista.

Kunos

Kunos nasceu e foi criado em Westwald (quem disse que a zona rural não faz bem pra aparência?) e era o chefe da vila antes de Nelke e Misty chegarem, sendo amado e respeitado por todos os moradores. O personagem ajuda a protagonista mostrando como algumas coisas funcionam nos arredores e acompanhando o grupo em expedições perigosas.

Apesar de ter cedido seu cargo à Nelke, em momento nenhum Kunos deixa de agir como chefe da vila e sempre tem sua voz ouvida quando alguma decisão importante precise ser tomada, dando a ele um cargo simbólico de conselheiro.

Claramente o personagem mais forte em batalha, Kunos empunha uma alabarda (machado de cabo longo) e possui o maior dano físico do jogo, além da maior quantidade de HP. Suas técnicas especiais causam dano em área, tornando o chefe da vila uma escolha importantíssima para expedições.

Muito além de fanservice

Como dito anteriormente, Nelke & the Legendary Alchemists é um jogo que comemora o aniversário da franquia Atelier e por isso conta com todos os personagens já conhecidos. Isso significa que o fanservice está evidente no jogo, certo? Errado. Muito errado.

Para começar, é importante elogiar o cuidado que a Gust teve para não trazer spoilers dos jogos principais através dos próprios personagens provenientes deles. Todos os visitantes famosos de Westwald se apresentam diretamente para Nelke e esse recurso narrativo de que a protagonista não conhece nem os indivíduos nem os mundos dos quais eles vieram é perfeito para proteger aqueles jogadores que não tiveram contato com um ou mais jogos da série principal.

Pouquíssimas coisas são comentadas sobre as histórias dos personagens e seus respectivos jogos, limitando tais interações a brincadeiras com personagens de diferentes games, onde as semelhanças e diferenças de um mundo para outro são exploradas.

Imagem: Switch

Ao contrário do que se esperava, a complexidade presente no game é notável. Deixando o fanservice em segundo plano, o jogo introduz o jogador à mecânicas que inicialmente parecem simples, mas que se mostram bem delicadas no decorrer da aventura.

A sensação que tínhamos quando os primeiros trailers de Nelke & the Legendary Alchemists foram lançados era de que a atmosfera calma da franquia se repetiria num jogo que tinha tudo para ser um título de construção de cidades – como vários presentes em dispositivos móveis por aí – mas as responsabilidades de Nelke são muito mais complicadas do que aparentam ser.

O jogo começa devagar, nos ensinando como construir caminhos de pedra e como erguer edifícios que devem sempre estar de frente para uma via de transeuntes. Nos dando algumas estruturas já prontas, como plantações e um pomar, nossa primeira missão é construir um ateliê para nossa primeira alquimista, Marie (Atelier Marie, 1997) onde ela poderá sintetizar itens para ajudar a comunidade.

A grande maioria das construções do jogo leva uma semana para ser inaugurada, portanto, é importante escolher quais edifícios levantar primeiro já que em cada semana de trabalho, Nelke só tem à sua disposição mão de obra suficiente para erguer 2 estruturas por vez.

Imagem: Switch

É de extrema importância planejar o desenvolvimento urbano de Westwald, como, por exemplo, decidir se é necessário construir um novo ateliê para aumentar a manufatura e alimentar o comércio ou uma plantação para acelerar a produção de matéria prima. As duas coisas são importantes e cabe ao jogador decidir qual delas requer mais atenção naquele momento.

Depois de decidir o que vai ser construído, o jogador deve atribuir um personagem para ser responsável pelo estabelecimento – e é aí que o jogo começa a ficar cada vez mais complexo. Obviamente apenas alquimistas podem comandar um ateliê, mas edifícios como lojas e plantações podem ser administrados por qualquer NPC, inclusive os próprios alquimistas. Cada personagem do jogo possui atributos de afinidade com vegetais, flores, pomares, armas, medicamentos e comércio geral.

Atribuir uma loja de armas a um personagem inclinado à arte da colheita pode não ser uma boa ideia já que, de acordo com seus atributos, ele pode vender pouquíssimos itens e gerar um lucro baixo para a cidade. Essa mecânica gera uma das maiores dificuldades do jogo, visto que existe a possibilidade de desbloquear uma loja de medicamentos sem possuir um NPC especializado no assunto. Em situações assim, Nelke contrata ajuda estrangeira para administrar o negócio caso ele seja construído. Os atributos do NPC genérico contratado são péssimos e semanalmente a prefeitura de Westwald deve pagar uma taxa por seus serviços.

Quando tudo for finalmente resolvido e os estabelecimentos estiverem com seus respectivos administradores atribuídos é hora de decidir o que será produzido ou comercializado por cada um deles. Ateliês podem produzir itens de acordo com o nível do alquimista responsável e a disponibilidade de matéria prima. Nelke pode atribuir quantos tipos de item quiser para cada alquimista produzir, desde que não ultrapasse o custo de produção (determinado pela dificuldade de produção do item) e a quantidade máxima de matéria prima que o ateliê recebe.

Imagem: Switch

Você pode mandar um ateliê produzir 100 bolos de maçã em uma semana ou 10 medicamentos diferentes e estocar seus suprimentos, a escolha é sua. Praticamente todos os tipos de item podem ser produzidos por alquimistas, desde equipamentos de batalha até alimentos e basicamente tudo que sai de um ateliê tem dois destinos possíveis: uso em expedições ou comercialização.

Cada estabelecimento comercial pode vender um item distinto por vez e esse item permanecerá sendo comercializado pela loja enquanto durarem os estoques, por isso, um erro muito comum é vender itens que eventualmente se tornarão escassos ou são matéria prima de produtos mais caros. É importante manter seus ateliês produzindo os produtos a serem comercializados nas lojas existentes. Como minha Sophie que decidiu tentar a sorte como ferreira.

Imagem: Switch

Um exemplo que aconteceu comigo foi colocar uma loja para vender neutralizadores vermelhos lucrando cerca de 200 por semana quando o ateliê da pobre Sophie precisava desses itens para produzir as bombas que eu usava nas expedições. Isso obviamente causou uma crise no estabelecimento, pois já não tinha mais matéria prima para produzir o que eu pedia por estar vendendo os materiais necessários.

Sobre os materiais utilizados em processos alquímicos, estes podem ser obtidos de duas maneiras: realizando expedições para coletá-los ou cultivando-os na própria cidade. Vale mencionar que as expedições são o único meio de desbloquear novos materiais que, ao serem encontrados pela primeira vez, podem ser cultivados em Westwald permanentemente.

A quantidade de matéria prima produzida pelas plantações na cidade é diretamente ligada ao atributo correspondente do administrador da fazenda. Se forem necessários 100 unidades de Uni para produzir um item, a melhor escolha é atribuir o cultivo da matéria prima à fazenda de um NPC com alto desempenho na colheita de frutas, por exemplo.

Além disso, matérias primas podem ser convertidas em combustíveis alquímicos ao passarem por um processo de refinamento que pode ser feito rapidamente pelo menu do jogo. Tais combustíveis também podem ser coletados em expedições, mas não podem ser obtidos de outra maneira e são o elemento mais básico de itens de nível mais elevado.

Imagem: Switch

Administrar Westwald é como controlar todos os aspectos do capital de uma cidade. Agricultura, produção e comércio são os principais temas abordados em suas mecânicas e precisam de atenção constante do jogador para que a vila não entre em crise, mantendo a confiança dos moradores.

Não é sobre matar monstros

Se tratando de um jogo focado na administração de Westwald, Nelke & the Legendary Alchemists não possui um sistema de batalha muito sofisticado, nem requer tanta estratégia por parte do jogador. O combate baseado em turnos é fácil de entender e pouco desafiador, o que acaba sendo um ponto positivo no jogo já que ele só acontece durante expedições e missões surpresas.

Existem duas classes de guerreiros no game: atacantes e suportes, com a última sendo uma função cumprida exclusivamente pelos alquimistas do grupo. Personagens atacantes são quaisquer indivíduos que sejam versados em combate, não dependente de alquimia, enquanto suportes oferecem ajuda com itens ofensivos e curativos da retaguarda.

Imagem: Switch

O sistema de batalha também possui os modos semi automático, onde o jogador pré-define ações para cada integrante do grupo; e um modo completamente automático, onde personagens atacantes se limitarão à ataques básicos e personagens de suporte manterão seu foco no uso de itens ofensivos quando a batalha estiver a favor do jogador e itens medicinais em casos opostos.

Boa parte dos combates no início do jogo pode ser encarada com o modo automático ligado quase que constantemente. Também é possível ativar um modo burst onde todos os atributos dos personagens são aumentados por alguns turnos. No entanto, sua ativação depende de uma barra alimentada quando o jogador sofre ou causa dano, sendo cumulativa entre uma batalha e outra, mas zerada após o final da exploração.

Apesar de extremamente simples, o combate da franquia Atelier nunca foi muito elaborado e no caso de Nelke & the Legendary Alchemists ele cumpre o papel que deveria sem exagerar na simplicidade, visto que as batalhas estão longe de ser o foco do game.

Nelke, a amiga do povo de Westwald

Diversos personagens são apresentados durante o jogo e o ritmo das adições aos habitantes de Westwald é dado pelo nível de amizade entre a prefeita Nelke com cada um deles.

Durante fins de semana, a protagonista pode visitar os habitantes para conseguir novos resultados, como desbloqueá-los para expedições e utilizá-los em batalha, aumentar seu nível de amizade com eles ao conhecê-los melhor, receber uma quest que pode dar um grande impulso na amizade e proporcionar recompensas por sua completude ou até mesmo colher sugestões para uma nova melhoria na cidade, desbloqueando edifícios especiais.


Aumentar a amizade com um personagem traz diversos benefícios, como melhorar suas afinidades ou dar um impulso de três rodadas em seu estabelecimento, sendo uma parte importante para se obter sucesso no jogo e não apenas uma maneira de relaxar de suas responsabilidades.

Ainda assim, é importante lembrar que todos os personagens dos jogos principais estão presentes em Ateliers of the New World, portanto, é aconselhável focar somente nos seus favoritos para evitar que outras atividades importantes sejam deixadas de lado pela necessidade ilusória de interagir com todos os moradores de uma só vez.

Os níveis de amizade também são o principal meio de trazer novos personagens à Westwald já que a cada vez que o nível de relacionamento entre o jogador e um habitante aumenta existe a chance de um novo personagem do mesmo jogo aparecer na cidade. Um fator muito divertido sobre essas aparições aleatórias é o fato de que todos eles alegam ter sido transportados para aquele mundo quando investigavam ruínas antigas em seus mundos de origem, levando a crer que o local onde o jogo se passa é uma espécie de intermédio entre universos paralelos.

Screenshot de Nelke & the Legendary Alchemists

Além de todos esses pormenores, o mais importante na hora de desenvolver suas amizades com os moradores é ter em mente a busca de Nelke pela árvore mágica do alquimista lendário. Segundo a própria protagonista, não há ninguém melhor para ajudá-la a encontrar a relíquia do que outros alquimistas. O jogo faz uso dessa lógica para oferecer a função de pesquisa, onde uma ou mais alquimistas se unem para tentar descobrir mais sobre a árvore mágica na esperança de que ela ajude todos a voltarem aos seus mundos. As etapas de tais pesquisas são a maneira como a história principal avança e estão diretamente ligadas ao nível de amizade de Nelke com as alquimistas.

Gerencie a cidade e seu tempo

Cuidar de Westwald não é algo feito com a serenidade que os jogos principais de atelier possuem e isso é evidenciado principalmente na mecânica de passagem de tempo presente no game. A rotina de Nelke é dividida em dois períodos de tempo: dias de semana e feriados.

Durante os dias de semana, a prefeita deve dar atenção às atividades administrativas da cidade, como definir os itens a serem produzidos e comercializados nos estabelecimentos ou construir novos edifícios e atribuir seus funcionários. É quando a parte mais estratégica do jogo acontece e os relatórios de todos os setores são apresentados ao jogador, detalhando crescimento populacional e financeiro, a condição dos serviços da cidade e até um ranking de quais estabelecimentos tiveram o melhor rendimento da semana anterior.


Já nos finais de semana, Nelke pode visitar seus amigos aumentando sua amizade com eles, desbloqueando novas quests e edifícios especiais, sair em expedições com seu grupo para coletar materiais e derrotar inimigos, além de ter acesso aos resultados das pesquisas referentes à árvore lendária. Todas as atividades realizadas nos feriados, com exceção das pesquisas, consomem uma fatia de tempo de um relógio em forma de pizza e devem ser planejadas com cautela de acordo com sua importância.


O gerenciamento de seu tempo durante o jogo é extremamente importante, pois o pai de Nelke envia missões por meio de Lotos que devem ser cumpridas dentro de um número pré-estabelecido de semanas, causando o fim do jogo caso o jogador fracasse em sua conclusão.

Tais tarefas variam entre coisas simples, como aumentar a população para um determinado número, e tarefas mais complexas, como garantir 3 semanas seguidas com lucro financeiro. Mas apesar de complicadas, as recompensas dessas missões sempre são muito mais altas do que as quests comuns do jogo, que inclusive podem ser ignoradas quando o jogador julgá-las desnecessárias.

É crucial criar uma rotina de atividades de acordo com a tarefa a ser cumprida naquela etapa, exatamente como um prefeito faria (ou deveria fazer).

A falta de um modo fácil desrespeita os jogadores?

Piadinhas à parte, Nelke & the Legendary Alchemists me surpreendeu muito positivamente e superou todas as minhas expectativas para um jogo divulgado como comemorativo do aniversário da franquia Atelier.

O nível de dificuldade é tudo que um jogo de estratégia deve ter e é muito agradável saber que a Gust não fez do título um mero produto de fanservice para ganhar dinheiro às custas da série, dando a profundidade e  complexidade que o jogo merece, sem tirar o fator amigável do jogos anteriores ao oferecer uma rejogabilidade bem boazinha com o jogador.

Ao ter seu primeiro game over (que será o primeiro de muitos, caso você só jogue pelo fanservice), o jogo mantém praticamente tudo que você conquistou e habilita a função de pular todos os diálogos que você já viu, com o maravilhoso recurso de desabilitar a função de pular cenas ao encontrar um diálogo ainda não visto pelo jogador, evitando que o reinício seja tedioso.

Imagem de Nelke em Nelke & the Legendary Alchemists

A experiência que tive com o jogo foi de um delicioso aprendizado com erros que, atualmente com 21 horas de jogo, considero grotescos. Houve um game over específico que recebi ao ficar completamente fascinado com a chegada de Sophie à cidade (minha personagem favorita da franquia), dando muito foco às visitas ao seu ateliê para bater aquele papo legal e tomar um chazinho enquanto haviam vários estabelecimentos da cidade precisando de atenção, bem como outros residentes precisando ter seu nível de amizade aumentado para impulsionar a pesquisa sobre a árvore.

Ao receber a tela de fim de jogo pela primeira vez, tive um sentimento de irritação porque não estava esperando aquela falta de liberdade num jogo da franquia Atelier, mas logo em seguida notei que o game pede uma aproximação diferente do jogador. Somos responsáveis por toda uma população e o objetivo de Nelke não é fazer amizade e sair com seus amigos para coletar ingredientes, mas sim ajudar várias pessoas a melhorarem o lugar onde elas vivem, sendo prioridade conseguir a aprovação dos habitantes.

Imagem: Switch

Quando entendi que deveria ser mais responsável com minhas atividades dentro da cidade, parti para o segundo gameplay e achei que estava fazendo tudo certo até receber a missão de construir edifícios que não havia desbloqueado até então, simplesmente por ter deixado de focar nos personagens e gastar muito tempo construindo coisas. Recebi o segundo game over com um sorriso no rosto (é assim que jogadores de Dark Souls se sentem?).

Estou jogando pela quarta vez e após uma meticulosa rotina desenvolvida nas folhas do meu caderno de anotações, tudo parece bem. Ao equilibrar todas as atividades de Nelke tive a agradável surpresa de receber as missões enviadas pelo seu pai mandão com naturalidade e muitas vezes cumpri-las bem antes do prazo estipulado, como quando recebi a tarefa de aumentar minha população para 1000 habitantes em um momento em que já estava ganhando uma média de 80 cidadãos por semana e contava com um total de mais de 500 moradores.

Alcançar 1000 habitantes em 18 semanas foi mais fácil que sintetizar uma bomba no caldeirão da piromaníaca da Marie.

Imagem: Switch

Em suma, Nelke & the Legendary Alchemists: Ateliers of the New World é um jogo que cumpre seu papel de homenagear a franquia Atelier sem perder sua originalidade. O nível de dificuldade pode assustar jogadores desavisados que buscam a atmosfera relaxante de Arland, mas não é nenhum tipo de defeito absurdo que estrague o título.

É muito agradável ver tantos personagens amados juntos, interagindo uns com os outros. Isso faz com que o jogador sinta vontade de jogar os clássicos novamente (Klein e seus amigos me deram vontade de comprar um PS2, por exemplo). Poder comemorar os 20 anos da franquia com um jogo tão completo é certamente uma ótima ideia.

Nelke & the Legendary Alchemists: Ateliers of the New World está disponível para Nintendo Switch, PlayStation 4, PS Vita e PC.


Nelke & the Legendary Alchemists proporciona muitas horas de diversão num gameplay deliciosamente complexo e bem estruturado. O encanto pelos personagens da franquia é muito bem explorado e mesmo com tantas tarefas a serem feitas, o sistema permite que o jogador passe tempo visitando suas amigas alquimistas na cidade, trazendo a dose certa de fanservice.

No entanto, a dificuldade elevada na administração de Westwald e a simplicidade do sistema de batalha podem afastar alguns jogadores mais experientes de RPG ou mesmo os fãs mais casuais da franquia que esperam pela atmosfera despreocupada dos jogos principais.

Versão utilizada para análise: Nintendo Switch

Compartilhe:
Willyan Cavalcanti
Willyan Cavalcanti
Paleógrafo, agente de imigração aérea e escritor. Completamente apaixonado por cultura asiática como um todo, especialmente japonesa e chinesa. Budista mais desequilibrado da face da terra que joga Splatoon 2 como se fosse uma final de copa do mundo e chora lendo mangás desconhecidos. Morre de amores por Persona, Splatoon, Love Plus e Pokémon.